Solenidade da Epifania do Senhor encerra o tempo litúrgico do Natal

DSC 7441

No último dia 06, foi celebrada, a Solenidade da Epifania do Senhor, pelo Vigário Padre Leandro José de Melo, na igreja Matriz. O Dia da Epifania encerra o Ciclo do tempo litúrgico do natal. Comemora-se (12) doze dias após o Natal, no Dia de Reis. Esse é o dia em que são desarmados os presépios e, por conseguinte, são retirados todos os enfeites natalinos.

A Solenidade da Epifania do Senhor. Trata-se de uma Solenidade litúrgica da maior importância. Os Magos encontram o Salvador. Os povos caminham sob sua luz! A luz que brilhou na noite de Natal jamais cessará de iluminar a humanidade. Diante do fracasso humano, Deus envia seu filho para ser a comunicação da verdade e da vida. Ele se manifesta e é nossa salvação. Na frágil criança, o Pai nos chama para olhar com mais esperança para o futuro. Quando repartimos a vida, como o ouro, incenso e mirra, superaremos fronteiras de raças, culturas e nações, criando uma humanidade conforme o desejo do Reino.

Padre Leandro em sua homilia lembra que os Magos foram guiados por uma estrela até Belém. Não era uma grande estrela brilhante, mas uma estrela que só os magos puderam ver. Eles não eram reis, eram sábios que conheciam as escrituras e esperavam o Messias. Os Magos fizeram um longo caminho e, Deus se deixa encontrar por quem o procura. Eles encontraram Maria, José e o menino Deus e se alegraram. Assim também devemos ser, encontrar Deus é a nossa maior alegria. Ele disse ainda que os Magos levaram presentes, ouro, incenso e mirra.

“A realeza de Cristo vale muito mais que o ouro que foi ofertado, a sua divindade se faz próxima de nós e a sua humildade, aquilo que é eterno, aquele que é infinito, assume o tempo, assume o espaço para que sejamos mais próximos de Deus. O nosso maior presente deve ser entregar a nossa vida a Ele. Não podemos ter medo das mudanças. O maior desafio da igreja hoje é deixarmos de ser seduzidos pelas coisas do mundo e não deixar a verdade do Evangelho, sua beleza e sua salvação chegar até nós. A mídia vem querendo destruir a história da igreja, quer manchar a imagem do Papa, dos Padres. Temos que ter coragem em nossa caminhada. Devemos fazer com que a palavra de Cristo continue sendo entoada na voz da igreja e juntos na presença do Cristo transformemos a humanidade a luz de Cristo. Adorar ao Menino Deus pode significar também, prostrar nosso orgulho, nossa soberba, deixar de lado nossos próprios interesses e submeter nossa vida à ação e à vontade de Deus. Às vezes parece que a estrela some nas nuvens das tentações e dificuldades da vida, mas é preciso continuar a caminhada até a Manjedoura do Messias. Nós também vamos sentir uma grande alegria quando o encontrarmos. E vamos, como os Magos, vendo o Menino com José e Maria, sua mãe, ajoelhar diante dele, e o adorar, oferecendo os nossos presentes. Após esse encontro podemos voltar para casa, como os Magos, por outro caminho, o da fé e da esperança e perseverança”, salienta.

Finalizando o padre pede aos fiéis que não deixem passar a alegria do encontro com Senhor, pede a graça para com Ele, manifestar ao mundo sua grandeza. “Deus é luz”, “Eu sou a luz do mundo; quem Me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8, 12).

Por Vânia Abdala

  • capela.jpg
  • site-pascom2019.jpg