Missa na Capela de Nossa Senhora da Cabeça

DSC 0168No último sábado, 12, a Igreja celebrou o dia de Nossa Senhora da Cabeça. Fiéis participam de missa na igrejinha situada na Serrinha dos Cristais.

Segundo o celebrante Padre Leandro José de Melo, antes de ir alimentar uma devoção precisamos conhecer o testemunho de onde ela se origina. A Nossa Senhora da Cabeça segundo a história, inicia no ano de 1227 quando Ela aparece a um homem chamado Ruan. Homem marcado pela fragilidade da guerra que quando cuida das ovelhas teve esse encontro com Ela numa montanha rodeada por pedras. Ele ouvia campainhas e a princípio pensou estar louco, mas andando mais avistou Maria que se revelou a ele pedindo que ali fosse construída uma igreja. Também segundo relata a história, outro homem que recebeu a graça de ser livre da guilhotina. Este no momento em que ia ser morto aparece uma carta de reconhecimento que estaria livre da condenação. Depois desse relato a imagem começou a ser produzida com a cabeça aos pés e nas mãos e fortemente o povo começou a rezar pedindo a Nossa Senhora a intercessão para os que estudam, ou estejam passando por males espirituais e físicos da cabeça.

“Eu acredito que olhando para essa devoção a Maria, hoje no cenário da igreja estamos vivendo mais do que nunca o verdadeiro culto a Virgem Maria, que nos ensina a Igreja a fazer em nós crescer as virtudes de Maria. De nada adianta virmos aqui rezar e continuarmos homens e mulheres pequenos na fé, na esperança e na caridade. Quando nós nos aproximamos de Maria, esta graça de elevar em nós essas virtudes tão necessárias a Igreja primitiva e na Igreja de hoje”, explica.

Padre Leandro comenta ainda que o Evangelho de Mateus é muito propício, pois relata que quando estamos fora da barca entramos no desespero, e as tempestades da vida nos fazem perde o sentido da travessia e, achar que podemos caminhar sozinhos.

“Nós somos a grande Igreja que peregrina neste mundo que é o grande mar da vida. O mar no evangelho representa o caminho da instabilidade e só caminha sobre ele, o Senhor Dele, que tem o comando, a autoridade e o domínio sobre tudo e todas as coisas. Qual homem na sua fragilidade de fé ou mesmo na mais alta sabedoria pode exercer domínio sobre mar?”, disse.

Ele fala em sua homilia que no evangelho lemos quando Pedro tenta andar sobre as águas e começa a cair por medo do vento e pede socorro a Jesus. Quando as mãos frágeis de Pedro encontram as mãos fortes do Senhor caminha. Isto nos mostra que essa confiança faz a vida ter outro significado. Quando Cristo está presente, embora as tempestades continuem, a barca segue com tranquilidade.

“Hoje aqui reunidos na Eucaristia, em que celebramos a palavra, ouvimos e estamos preparados para reconhecer o poder à força de Deus que não nos abandona, não abandonou a antiga Aliança e muito menos agora à nova e eterna aliança. Ele continua revelar a nós o seu plano de amor. Que bom que temos aqui em Muzambinho esse lugar no silêncio do barulho e agitação da cidade para nos amparar e para alimentarmos a espiritualidade e meditar a palavra de Deus. Que Ele possa revelar em nossos corações e mais verdadeiramente pela graça de atingir nossa cabeça, atinja nosso coração ao apelo de conversão constante a que somos chamados. Pedimos ainda a Bem Aventurada Virgem Maria que interceda por nós, por nossa igreja que está em Muzambinho para que diante das fragilidades de fé que enfrentamos possamos segurar nas mãos Daquela que carregou no seu ventre, acalentou no seu colo e nos ensina depois do vale de lágrimas que passamos possa mostrar Jesus, Caminho, Verdade e Vida!”, salienta.

Finalizando ele ainda convida a todos para participarem todo primeiro sábado, às 16h da reza do Santo terço na Igrejinha.

Por Vânia Abdala

  • site-pascom.jpg